dia do casamento é o culminar de um longo processo de preparação de um casal que decide, em data escolhida, dar o famoso sim.

Pela minha experiência, dado que começo a entrar nessa equação relativamente cedo, noto que com o aproximar do dia os noivos começam a sentir um nervoso miudinho, um stress reprimido que, sempre, acaba com o fim da cerimónia, seja civil ou religiosa. Aí, respira-se fundo e, de facto, a alegria do dia toma conta da atmosfera.

No entanto se forem tomadas algumas precauções, o processo da preparação e aproximação do dia do casamento pode ser mais relaxado e sereno.

Tratar das coisas importantes a tempo até ao dia do casamento

Normalmente quando se decide qual o dia em que o casal pensa em casar 4 importantes decisões têm que ser tomadas:

-que tipo de cerimonia: civil ou religiosa

-o local da cerimónia

-o local da festa/celebração

-o Fotógrafo de Casamento para a memória

Tipo de cerimónia de casamento

Depois de decidido o tipo de cerimónia começa o processo da escolha do local. Se quinta, falaremos nesse ponto. 

Se religiosa em templo da vossa crença devem ser escolhidas segundo alguns critérios:

-Ligação emocional ao templo. Saber se para um ou dos dois ou o próprio casal tem ligações especais a determinada Igreja: porque é da terra, porque foi lá que foi baptizado(a), foi lá lá que casaram os pais, etc.

-Se existe uma ligação estética à Igreja. Se a Igreja for, aos vossos olhos, bonita, tiver o espaço necessário para receber todos os convidados.

-Se for uma questão prática: fique perto do local do espaço escolhido para a festa do casamento.

Sendo civil, normalmente é no espaço da festa que se efectua a cerimónia.

É aqui que gostaria de ver invertida a prioridade dos noivas nas escolhas. É sempre escolhida a Quinta de Casamento antes da escolha do Fotógrafo de Casamento. Ora o Fotógrafo pode dar aos noivos uma série de conselhos que possam ajudar a decidir melhor sobre a escolha desse espaço.

Quinta de Casamento, além de ter de ser um local agradável de convívio dos noivos com os seus convidados, dever ser, ao mesmo tempo, um bom cenário para as Fotografias de Casamento que vão sendo tiradas ao longo do dia. 

Deve a Quinta ter espaços que sirva, de fundos bonitos, para Fotografar os noivos com os seus convidados, e ás vezes isso não é fácil de encontrar. Deve, também, ter um envolvimento e espaço que possa trazer uma memória bonita pelas fotos que vão sendo tiradas ao longo do dia e, concretamente, com o casal, lindamente vestido para esse dia.

Para a cerimonia deve esse lugar ser agradável, bem decorado e com espaço para receber todos os convidados.

Como local de festa deve a Quinta de Casamento garantir três espaços diferentes:

-espaço para o copo de água: este deve conseguir conter todos os convidados de forma arejada, espaçosa de modo que seja fácil a movimentação entre as mesas para um bom convívio entre eles.A decoração deve ser bonita e criativa produzindo bem estar, harmonia e, também, que seja um bom cenário para as fotografias que vão sendo tiradas ao longo do casamento.

-Espaço de convívio antes e depois do copo de água: a coisa mais importante de uma festa de casamento é a reunião, no mesmo dia e no mesmo espaço, de um grupo de pessoas importantes para a casal. Devem festejar essa celebração e devem poder conviver entre eles. Daí ser muito importante que a quinta escolhida para o casamento tenha espaços agradáveis, protegidos do sol para esse efeito.

-Cenário para as fotografias dos noivos: as fotos do dia do casamento com o casal são de importância suprema. Vão ser a sua memória, juntos, pela primeira vez enquanto casal e vestidos como jamais voltarão a ser. Daí um bom cenário, jardins com muita vegetação, rochas decorativas, caminhos entre arvoredo possam produzir grande ajuda aos Fotógrafos de Casamento para um resultado pleno.

Sobre a preparação no Dia do Casamento

Como Fotógrafo de Casamento uma das minhas grandes preocupações é que os meus clientes fiquem sempre bem nas fotos. Existem, no entanto alguns detalhes que nem sempre os noivos e, principalmente a noiva, não têm muita consciência da sua importância.

Por exemplo quando vemos nas revistas de moda belas imagens dos modelos com peles lindíssimas, suaves, onde a luz difunde delas de modo lindíssimo esquecemo-nos da razão: uma é que ninguém contrata um modelo para fotografia que tenha a pele fora do seu tom natural. Sair de 15 dias de praia e ir fotografar uma sessão para uma revista ou um catálogo de moda é, simplesmente algo que não acontece. Outra é a existência de uma boa maquilhagem feita para a fotografia.

Assim primeiro conselho: não apanhar sol no mínimo 15 dias antes do dia do casamento e, nunca, nunca mesmo, apanhar sol de modo a entrar num processo de descamação e alteração da pele. Depois de manchada não existe maquilhagem que valha.

A maquilhagem feita para o dia do casamento deve ser aconselhada pelo fotógrafo que escolheu, se para ele for importante o resultado final do seu trabalho. Um Fotógrafos de Casamento que levem, de facto, a sério o seu trabalho gostam de ter em frente das suas objectivas caras que funcionem bem com luz e que tragam ao de cimo o melhor e mais bonito dos seus clientes. Ele saberá, ou pelo menos deverá saber, aconselhar a noiva com o seu tipo de pele que tom deve predominar para fotos de grande beleza. Por exemplo um tom de pele mais queimada do sol numa noiva com vestido branquinho não vai resultar. Atenção que falo do tom fora do tom natural da pele de cada pessoa.

Nem sempre quem faz a maquilhagem tem a noção do que deve fazer para a fotografia e, não faz sentido nenhum, ter uma maquilhagem vistosa mas que não resulta nas fotos. Não é a primeira vez que, quando chego a casa da noiva, ou no cabeleireiro onde normalmente se faz a maquilhagem, peço para alterar porque o que foi feito vai resultar muito mal para ser fotografado.

A regra mais simples e básica, porque normalmente a nossa tez na cara é mais escura, é olhar para o tom de pele no peito e, como referência, maquilhar a cara num tom um pouco mais claro do que essa zona, respeitando o tom natural da pele. Isto faz com que a luz da cara seja mais luminosa e irradiante e não tenha um ar pesado. Depois um bom trabalho de olhos e lábios produz toda a estrutura tridimensional da cara.

Quanto aos cabelos deve ter muita atenção ao seu tipo de cabelo. Se tiver um cabelo forte que aguenta bem a passagem das horas, do vento e das diferenças de temperatura sem se desmanchar pode optar por penteados soltos. Mas se o seu cabelo for fino e fácilmente tomado pelo vento deverá fazer um penteado apanhado de modo a ficar sempre bonito durante o dia. Se tiver pele morena evite penteados que se sobreponham à cara para esta não perder luz e presença.

Cabelo louro e pele muito morena (da praia) não ligam muito bem com a fotografia porque o tom do cabelo, muito mais claro, rouba luz à pele e não deixa que toda a cara predomine. Por outro lado cabelo preto e pele da cara muito morena (da praia) também tendem a roubar a luminosidade tão preciosa à fotografia e criam uma grande diferença entre o tom da cara e o vestido, branco, produzindo grande diferença de contrastes.

Delegação de tarefas

Delegue a pessoas próximas, mães, pais, irmãos, padrinhos a responsabilidade das coisas que vai precisar ao longo do dia. E nem tudo na mesma pessoa. Alianças a um, sapatos a outro, etc.

Deve ir para o seu grande dia para o viver e não para andar preocupada(o) o dia todo com os pormenores. Por exemplo deve fazer sempre duas coisas relativamente aos sapatos: usá-los várias vezes antes do dia do casamento e levar um par suplente confortável. Uma noiva que a certa altura mostra um par de ténis debaixo do vestido é sempre motivo de festejo. Vale para os dois.

Devem os noivos tomar refeições normais antes da ida para a cerimónia. O fotografo de casamento, ou melhor, as suas lentes e máquinas, não gostam nada de ter à sua frente na Igreja um casal nervoso, cheio de sede e fome. Não é uma boa combinação para as fotos do casamento.

Por isso, desde que se levantam devem hidratar-se sem bebidas açucaradas, porque depois ainda fazem mais sede, comer hidratos de carbono sem açúcar para para terem energia no tempo. Depois da cerimónia têm tempo para comer, e abusar, de tudo o que se não deve.

 

Como escolher o fotógrafo para o casamento

 

Sem querer dar mais importância  ao meu quintal, escolher o Fotógrafo para o Casamento pode ser das tarefas, ao mesmo tempo, mais difíceis e mais interessantes.

Ao contrário dos outros fornecedores, quase todos, os seus produtos e serviços desvanecem-se logo a partir do fim da festa. O arrumar das mesas já não é assunto do casal.  Dos pratos escolhidos a partir de certa altura já se confundem com o daquele dia de anos.  Do DJ, fabuloso, a sua música só já lembra o género e o vestido ao fim de alguns anos é preciso ir confirmar o corte porque, se calhar até era de alças e já não se lembrava.

No entanto o trabalho do Fotógrafo de Casamento fica, no tempo, gravado a papel, durável, para descendentes poderem confirmar que a história que a avó conta do seu dia de casamento é verdade até ao pormenor.

Para isso, hoje, através da Internet existe uma enorme montra de proponentes a cristalizar para o futuro esse dia.

Aqui, devem ser tidos em conta alguns passos do processo de escolha:

A palavra que deve ter em conta nessa pesquisa deve ser Empatia.

Empatia nas imagens que for vendo nos diferentes sites .

Empatia com o fotógrafo(a) nos primeiros contactos e reunião.

Empatia com o resultado do trabalho do mesmo.

 

Depois outros parâmetros serão necessários para a escolha final do fornecedor da Fotografia do seu Casamento:

 

- Depois de seleccionar o ou os Fotógrafos de Casamento cujo trabalho sentiu mais empatia é altura de contactar para saber mais detalhes: se está disponível, qual é, em termos gerais a sua forma de trabalhar e quais os valores médios, etc. Normalmente, no meu caso, não gosto de falar dos valores em termos detalhados porque cada caso é um caso. A combinação dos vários conteúdos pode sofrer diferenças entre os vários pacotes. Por outro lado quero que a razão mais importante para o contacto tenha sido o meu trabalho final.

 -Penso que a qualidade Fotográfica deva ser o principal motor de contacto com o Fotógrafo. No entanto Qualidade é, de facto, um termo bastante genérico e que pode ser confundido com Estilo. Pode existir grande diferença qualitativa entre dois fotógrafos. Um muito bom e outro que pouco percebe do assunto e isso pode facilmente ser óbvio. No entanto dois excelentes Fotógrafos de Casamentos podem ser completamente diferentes em termos de resultado final por uma questão de Estilo. O tipo de lentes que usam, como as usam, o tipo de abordagem, etc.

 -Outro factor muito importante para a escolha de quem fará as Fotos para o seu Casamento é o tipo de cobertura. Uma cobertura mais baseada no retrato e na chamada pose, onde o fotógrafo vai aproveitando as várias fases do desenrolar do processo do dia pedindo para fazer determinado tipo de composições com os intervenientes e outro género, com o qual mais me identifico, onde o Fotógrafo sem interferir nesse processo o segue recolhendo as Fotos que que, no fim contarão a história do dia. Esse método pode ser chamado de Fotojornalismo de Casamento

 Qualquer um dos métodos é bom dependendo apenas da mestria de cada um dos Fotógrafos e da Empatia que o cliente tiver por cada um dos processos.

 

Uma vez recolhida a informação necessária para formular um juízo deve passar ao passo seguinte: marcar uma reunião.

 

- Aí deve confirmar a opinião com que ficou do que viu nos Sites. Deve verificar se existe produto acabado e impresso que confirme, e melhor, tudo o que já tinha visto.

Deve ter em atenção alguns factores: que lhe é mostrado fundamentalmente trabalho do mesmo casamento e das várias etapas do mesmo e, para ter a certeza, mais do que um casamento para ver a constância do trabalho. Penso que deve desconfiar quando lhe mostram compilações de vários casamentos.

- Hoje em dia os Albuns de Casamento, mais conhecidos por álbuns digitais, são uma maneira interessante de colocar no papel a história do seu dia de casamento. No entanto podem tornar-se facilmente em páginas garridas e cheias de volteios e decorações que pouco mostram o que se passou. Mais uma vez deve sentir empatia pelo estilo da paginação do Album Digital.

- Factor muito importante, e muito discutido mesmo entre os Fotógrafos de Casamento, é o "feitio" do Fotógrafo. Se é simpático ou não, se é novo ou velho, etc. Aqui, exagerando, deve lembrar-se que alguém muito simpático pode ser péssimo a trabalhar e alguém com mau feitio pode ser um génio. Como dizia Aristóteles, no meio termo está a virtude. O caracter deve estar a julgamento mais no profissionalismo, na entrega do trabalho conforme é pedido,  no deixar o dia decorrer sem que  crie incidentes, etc. É obvio que simpatia e qualidade do trabalho é o ideal e, mais uma vez empatia é a palavra certa.

-Finalmente os preços. É de longe o factor mais discutível de todos os outros. Pode chegar a conclusões rapidamente sobre os itens que falámos mas quando chegam os valores ambos os lados podem ter opiniões e interesses diferentes. O cliente tem o seu orçamento. O Fotógrafo de Casamento tem o historial do seu trabalho e a sua, boa ou má, opinião do valor do seu trabalho. Chamo, mais uma vez Aristóteles e a sua mesma mesma máxima: no meio estará a virtudeUm Fotógrafo de Casamento que produza uma Fotografia de Casamento bem-feita, com valor estético, com estilo próprio e capaz de finalizar o seu trabalho com eficácia, servindo as expectativas dos clientes deverá ser pago em função disso.

Depois de tudo visto, e pensado, o fotógrafo para o seu Casamento é, sem dúvida, Fernando Colaço, eu :)

 

Fotógrafos de casamento: como conviver com eles durante o dia do casamento

 Depois da maratona que os noivos percorrem para construir o seu casamento, toneladas de reuniões, milhas de indecisões sobre os detalhes mais pequenos e sobre as três grandes escolhas, local da cerimónia, local da festa e fotógrafo finalmente chega o grande dia.

De todas as entidades que nesse dia interagem com o casal o fotógrafo é aquele que está presente e, sem exagero, colado com eles todo o dia. Isso pode ser um problema se não for gerido com todo o cuidado.

Comecemos pela escolha. Quando o casal começa a procurar alguém para fotografar o casamento deve ter o cuidado de, além do escrutínio que faz do trabalho fotográfico, saber como é que o mesmo aborda o trabalho durante o dia. Não é a primeira vez que alguém se queixa de um fotógrafo demasiado interveniente e que faz do casal uma espécie de actores não os deixando livres para aquilo a que se preparam ao longo de tanto tempo: casar-se e festejar. Por isso deverá falar com o mesmo sobre a forma como vai ser a relação durante o dia. Um fotógrafo demasiado intrusivo poderá, com o tempo, deixar o casal pouco à vontade e, até, sem usufruir do seu dia de festa como desejam.

Por outro lado deve respeitar o seu fotógrafo. Confiar nele e dar-lhe as condições de movimentação e fazê-lo sentir que está à vontade para fazer o seu trabalho. É pouco confortável durante o dia do casamento o fotógrafo estar sempre sem saber se o cliente aprova o que está a fazer. Da minha parte pretendo o mais possível a invisibibilidade mas, ao mesmo tempo, estar atento quando de mim precisem. Nem incomodo o casal nem os seus convidados com a imposição da minha actividade mas tento estar atento quando alguém precisa, gosta, de fazer uma foto.

Pense, também que fazer a cobertura de um dia de casamento é um trabalho duro, muito intenso na atenção do fotógrafo e, por exemplo, saber que pode usufruir de uma refeição a horas pode ser a diferença entre todo um dia e trabalho por igual ou uma perda de rendimento com o decorrer do dia. Às vezes, o catering, na festa, deixa para o fim da refeição dos convidados o apoio ao fotógrafo deixando-o exausto e, quando tem qualquer coisa para comer é quando tem que recomeçar a fotografar. Saiba que um fotógrafo com energia tem mais alegria no que faz e serve muito melhor o seu cliente.

Texto e Fotos: Fernando Colaço