O casamento da Catarina e do João na Casa de Reguengos

Deverá a fotografia, enquanto elemento de memória, representar o mais fiel possível a realidade, o acontecimento, ou aproveitar o assunto que tem à sua frente para o recriar?

É uma questão que se me pôs desde cedo e que, de quando em vez,  volta ao meu pensamento. Ao assumir-me como fotojornalista de casamento, ou seja, um fotógrafo que segue o que se vai passando à sua volta, capta e não intervém, de modo a ser o mais fiel possível à realidade, será que basta esta atitude para que se possa intitular fotojornalista, esquecendo aqui a ligação institucional à representação da profissão mas sim à sua execução.

Exemplo: quando cheguei a casa do João ou da Catarina deveria reproduzir o mais próximo possível o que os meus olhos viam ou, como o fiz, faço, usasse as ferramentas da minha profissão, as máquinas e as lentes, para vestir de outra forma o que se ia passando à minha volta? Parto do princípio que o equipamento fotográfico tem, por si só, limitações na captação das imagens: capta com muito mais contraste, é muito mais sensível à variação da cor e as lentes que se usam podem alterar completamente o campo de visão comparado com os nossos olhos. Da grande angular à tele-objectiva se altera completamente a relação de “ver” comparativamente aos nossos olhos.

Então porque não assumir essa diferença e torná-la factor de criatividade? Aproveitar o factor de distorção da grande angular e produzir imagens de grande tridimensionalidade  e profundidade. Toda a gente se lembra da fotografia de determinada praça vista numa revista e, ao visitá-la, ficar admirado por ser tão pequena. Ou usar a teleobjectiva para separar o que se pretende e, ainda, aproveitar o factor “desfocado” para vestir e envolver, no caso, os noivos numa nuvem que os deixa mostrar só a eles.

É com isso que conto para contar as minhas histórias dos casamentos dos meus noivos. Mostar-lhes o dia do seu casamento de uma forma completamente diferente do que  os seus olhos viram e os seus convidados e familiares. No entanto isso não pode ser feito gratuitamente: as imagens não podem mentir. Os momentos têm que ser aqueles. A imagem conseguida terá que ter correspondido algo que soube cristalizar e contar de forma em que a harmonia e o bom uso da composição lhe dêem, por fim, o caracter de imortalidade, ao acontecimento e à própria imagem que dele resulta. É esse o meu objectivo e a minha pesquisa constante. Rigor na composição e eficácia na captação. Só estas duas conjugadas permitem um bom resultado final.

Ficam algumas imagens do casamento da Catarina e do João no dia do seu casamento. Saíram contentes. Gostei disso.

Texto e Fotos: Fernando Colaço

Df_001 Df_003 Df_004 Df_005 Df_006 Df_007 Df_008 Df_009 Df_010 Df_011 Df_012 Df_013 Df_014 Df_015 Df_016 Df_017 Df_018 Df_019 Df_020 Df_021 Df_022 Df_023 Df_024 Df_025 Df_026 Df_027 Df_028 Df_029 Df_030 Df_031 Df_032 Df_033 Df_034 Df_035 Df_036 Df_037 Df_038 Df_039 Df_040 Df_041 Df_042 Df_043 Df_044 Df_045 Df_046 Df_047 Df_048 Df_049 Df_049

Share This:

Leave a Comment

  • (will not be published)