As regras para uma boa fotografia, mesmo a de casamento

COMPÔR pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTOS EM LISBOA

Foi muito antes de ser fotógrafo de casamento que despertei para a fotografia. Vim, depois, a descobrir que o que mais me fascinava nela era a capacidade de poder harmonizar dentro delas, as fotografias, os elementos que lá queria colocar e ia descobrindo, por aí.

Os mistérios da composição. Uma das grandes alterações que a chamada revolução estética do renascimento trouxe foi o cuidado na composição. Os pintores foram de tal modo revolucionários que chegaram a inventar máquinas para os guiarem no processo de saber como colocar os vários elementos, que queriam numa tela, seja no plano da harmonia como no da perspectiva. Uma delas deu origem à máquina fotográfica tão generalizada, e amada, nos nossos dias.

Delinearam regras para que a composição fosse, partir daí, o factor mais importante para que o conteúdo chegasse ao observador com mais realismo, melhor interpretação e mais deleite no usufruto da obra. É por isso que, ainda hoje, mesmo um fotógrafo de casamento tenha que respeitar essas regras para que o seu trabalho venha a ter a mesma veracidade.

Quando pego nas minhas câmaras e escolho as lentes que julgo adequadas, à captura de fotos que pretendo, sei que tenho que respeitar essas regras, com mais ou menos imaginação, com mais ou menos capacidade técnica mas, no fim, só as fotografias que respeitem essas regras estão capazes de resistir ao escrutínio da observação. Devo dizer que o facto de ser fotógrafo de casamento me ajuda, muito, a, constantemente, pôr em prática essas regras.

Share This:

Leave a Comment

  • (will not be published)