Fotógrafo sempre à roda do retrato na sessão com os noivos no casamento

O RETRATISTA pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTO

Seguindo o tema do post anterior, mais retrato. Mas agora mais integrado no espaço. Aproveitar o que as minhas lentes alteram no que diz respeito ao plano traseiro ou mesmo ao primeiro plano, quando existe, pode dar uma leitura muito englobante ao retrato.

Gosto muito deste tipo de fotografar porque projecta para o olhar uma intensidade interessante na leitura da pessoa que escolhemos ou, no caso, que nos escolheu, para retratar. Por outro lado gosto muito desta palavra. Mais do que um fotógrafo gosto de me considerar um retratista como já, aqui, tem ficado escrito. Se fosse pintor ou escultor, este seria o meu objecto, também. O mundo da fotografia de casamento dá-me a oportunidade de poder reviver constantemente essa emoção que é ter uma pessoa à minha frente e tentar encontrar uma situação que valorize a imagem que se me aparece como melhor.

Lá estou eu valorizar uma parte da minha tarefa do dia. Mas, não me canso de dizer, desta vez é mesmo a minha tarefa. Foi por causa dela que me tornei fotógrafo de casamento e, nas outras que o compõem, sinto que estou sempre a incorporar o meu lado de retratista a todas as outras fotografias de pessoas que vou fazendo. Posso dizer que é o meu centro de gravidade enquanto fotógrafo de casamento.

Noiva apoiada num muro, nas ameias do castelo do Alandroal.

Share This:

Leave a Comment

  • (will not be published)