Bandeira com os nomes dos convidados para as mesas da refeição do casamento na Quinta da Cascata em Mafra.

O fotógrafo, as suas lentes e as coisas todas num casamento

DE LONGE E DE PERTO pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTOS

Bandeira com os nomes dos convidados para as mesas da refeição do casamento na Quinta da Cascata em Mafra.

Lembro-me, muito antes de pensar a vir a ser fotógrafo de casamento, quando me comecei a interessar pela fotografia, já há muitos anos. Primeiro nem foi muito interesse, foi apenas querer, como acontece com a maioria das pessoas que fotografa, trazer alguma memória de um local onde estive em certa altura da minha vida.

Depois, começou mesmo o interesse e a loucura. Porque, sem que percebesse alguma coisa do assunto, queria fazer, logo, todas as coisas que se podem fazer com a fotografia.

Fotografar de longe e de perto, fotografar de largo e apertado, muito, muito apertado, fotografar o movimento e o que está parado, fotografar o que está vivo e o que está inerte…enfim. Nessa altura queria ter todas as lentes disponíveis desde as que metem tudo lá dentro de uma vez, na máquina fotográfica, e as que vão lá ao longe para que fique muito perto e, mesmo, aquelas que vão buscar o que é muito pequenino.

Depois vim a aprender que a melhor lente, que poderia alguma vez ter, eram as minhas pernas. Foi aí que me dei conta que poderia vir a ser fotógrafo. Por isso, como fotógrafo num casamento são, de longe, as minhas pernas o utensílio mais precioso para fotografar o local da festa toda e a seguir ir lá ao pé de arranjos que decoram com flores lindas para irem connosco ou olha ali o ramo da noiva.

Foi assim que, finalmente, tive a certeza que era fotógrafo, e tudo com mesma lente.

Vista geral do jardim onde decorre a festa de um casamento.
Duas rosas que decoram uma mesa da sala da refeição do casamento.
Ramo da noiva sobre uma mesa.

Leave a Comment

  • (will not be published)