Debaixo de uma bonita luz amarela os noivos, ao lado um do outro, prestando atenção ao que se diz no altar, conforme o fotógrafo de casamento no Algarve os viu.

O fotógrafo e as vontades da luz, nos casamentos

A LUZ E A…LUZ pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTO

Debaixo de uma bonita luz amarela os noivos, ao lado um do outro, prestando atenção ao que se diz no altar, conforme o fotógrafo de casamento no Algarve os viu.

Luz, outra vez. Sem ela, fotografia não é possível. Com ela umas vezes é um deslumbramento e outras uma tortura.

O fotógrafo de casamento cruza-se com as duas, tantas vezes durante o dia do casamento que, se não fosse já o hábito e o saber dar-lhe a volta, no fim de cada tarefa precisaria de uns dias de descanso mental para poder voltar a sobreviver a outra labuta.

Assim, com o tempo, aprendeu a lidar com elas, a luz que encanta e a luz que irrita. Mas não pensem que é coisa é fácil porque elas parecem-se como aqueles irmãos gêmeos extremamente competitivos e que não perdem uma para se intrometerem na vida uma da outra, maravilhando ou tramando o fotógrafo encarregado de levar para contar um dia, também ele, cheio de encantamentos.

É a de lá de fora, à vezes tão dura, que faz fechar os olhos a toda gente e lhes desenha sombras tão intensas que, muitas vezes, metade da cara desaparece e, dos olhos, só conseguimos ver dois poços escuros sem sabermos se estão felizes, indecisos ou mesmo, também os há nos casamentos, invejosos.

A de dentro, suave, a moldar rostos e vestimentas a rigor para dia de festa e leva a quem, depois, veja as fotografias ai tão bonito parecem quadros daqueles que há nos museus.

Mas nem vos passe pela cabeça se pensarmos que há a luz de fora e a cá dentro, sendo a de fora a tramada, aquela que faz a cabeça em água ao fotógrafo do casamento e a de dentro, a boazinha, que tem tudo de prazenteiro e é só apontar, recolher e tomara que fosse sempre assim.

Pois, mas não é. Muitas vezes a de fora é a que não deixa o fotógrafo sossegado com tanta coisa para tirar e a de dentro nem o deixa ter a mínima ideia como e de onde é que poderá safar-se com ela. Para não falar quando elas se misturam na porta de uma Igreja onde para metade da fotografia está de uma perfeição para agradecimento infinito e na outra podias ser mais simpática e não me estragares fotografia tão importante.

Só ainda não percebi se o fazem porque gostam de embirrar uma com a outra, se é por mera brincadeira como fazem aquelas pessoas que estão sempre a pregar partidas aos outros ou se, de repente, uma delas desatina com o fotógrafo de casamento, por qualquer razão que ele desconhece, que nem é uma pessoa antipática e muito menos com a luz de que tanto depende, e resolve tramar-lhe a vida só porque sim.

No entanto, o fotógrafo de casamento foi aprendendo a conhecer-lhes as manhas e a descobrir que nem sempre a boazinha o é tanto quanto isso, às vezes é cínica, e a mazinha não é tão retorcida que o melhor seja fugir dela.

Elas, a luz e a luz, são como as pessoas que também têm, temos, sempre lá uma embirraçãozinha no meio de toda a nossa bondade e vice-versa. No fim do dia e de sacola bem cheia, o fotógrafo no casamento sabe que tanto uma como a outra lhe entregaram banhos delas sobre todos os que lá estavam, para as fotografias que ele tanto gosta de levar e, depois, entregar ao seu par de noivos que, orgulhosos, irão mostrar ao mundo venham cá ver o nosso casamento foi assim.

Mas, no fim de tudo, ainda não consegui descobrir se existe alguma maldade na que que me faz a vida difícil, quando faz, se é feitio e não tem culpa, e se a que me facilita a vida o faz apenas porque sim ou se aquilo é só por vaidade. O que é certo, e isso tenho a certeza, é que é com elas que as faço, às fotografias, e a elas agradeço do fundo do meu coração.

Um brinde à luz….às luzes….pois….

A noiva, no meio dos pais, caminha para porta da igreja onde vai ser a cerimónia, captados pelos fotógrafo de casamento no Algarve.

Vista por ente os noivos, desfocados, uma menina assiste à cerimónia do casamento, pelo fotógrafo de casamento no Algarve.

As mãos da noiva assinando o documento oficial, numa composição do fotógrafo de casamento no Algarve.

Os noivos saem da igreja depois da cerimónia  enquanto os convidados lhes atiram flores e arroz.

Os convidados do casamento junto dos noivos à porta da Igreja, no fim da cerimónia do casamento, pelo fotógrafo de casamento no Algarve.

Leave a Comment

  • (will not be published)