De perfil e vista dentro do automóvel, a noiva chega à cerimónia, em composição do fotógrafo de casamento.

O fotógrafo na azáfama da cerimónia do casamento

EUFORIAS pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTO

De perfil e vista dentro do automóvel, a noiva chega à cerimónia, em composição do fotógrafo de casamento.

Talvez o momento mais eufórico do meu dia enquanto fotógrafo de casamento, seja aquele que antecede o começo da cerimónia do casamento, quando tudo se prepara com oficiante já preparada(o) à mesa cerimonial, seja numa quinta ou numa igreja, e o noivo, com calma aparente, espera pacientemente que a sua mais que tudo apareça lá ao fundo e comece a percorrer a ala, da mesma maneira que as princesas o faziam no tempo delas.

Nessa altura começa a dar em mim uma euforia, na forma de nervoso miudinho, porque sei que tudo vai ser muito apressado, mesmo que a noiva vá calmamente a passo e amparada pelo seu pai que, para aproveitar o mais possível o tempo com ela, não a deixa correr para perto de quem lhe vai afirmar, sem indecisão alguma, o seu sim.

Mas o que é certo é que, para mim, aqueles passos precisam de ser acompanhados para registo sem falhas e, ao mesmo, ter que garantir que uma das minhas câmaras fotográficas mostre os que estão lá e como estão a ladear o caminho, que se caminha com grande emoção e a outra, siga cada passo e cada olhar de noiva e de pai bastante ciente da importância do momento.

Parecendo um caminho fácil de fazer porque é sempre em frente, o fotógrafo de casamento parece um passarinho que eu via no campo, quando era miúdo, que a cada passo que dava, mudava dez vezes a posição do corpo de modo a descobrir os grãozinhos de que se alimentava.

Para conseguir aqueles enquadramentos que tanto gosta e lhe vão dar a mostrar esse caminho de várias maneiras, como se fossem planos de um filme que nos mostram várias perspectivas do mesmo acontecimento, ele tem que ser lesto e mudar de forma tantas as vezes como os pontos de vista que precisa para as diversas tomas fotográficas, que quer fazer.

Caminho feito, e garantido em fotografias, começa o que é importante, todo o cerimonial que leva ao tal sim, aceito, para que tudo foi feito até ali e razão fundamental para todo o festejo que virá a seguir.

Também aí, o fotógrafo de casamento terá que puxar pela imaginação e descobrir outros pontos de vista, o lugar onde precisa de estar para captar o que precisa, e estar atento e ser rápido o suficiente para não deixar escapulir nenhuma fotografia, oferecida pelo casal em juras ou por quem o rodeia.

Mas, isso é para outro artigo para não gastar assunto todo de uma vez. Uma coisa é certa, se pensam que exagero no que o fotógrafo no casamento precisa para entregar estas fotografias, na próxima vez que estejam num, em vez de a vossa atenção ser para os noivos, desviem-na para o fotógrafo de casamento que lá está.

Se calhar sou eu.

O noivo, de braço dado com a mãe, desce as escadas que o levam à mesa da cerimónia, seguidos pelo fotógrafo de casamento em Lisboa.
O noivo, sorrindo já no local da cerimónia, espera pela chegada da noiva.
Por entre as plantas que dão acesso ao local da cerimónia do casamento, a noiva aparece de braço dado com o pai.
A noiva, com o pai e o menino das alianças, caminha no levadiço em madeira que leva à mesa cerimonial, seguidos pelo fotógrafo de casamento.
Os noivos sorrindo quando a noiva chega à mesa cerimonial, vistos pelo fotógrafo de casamento.

Leave a Comment

  • (will not be published)