O espaço onde será a cerimónia do casamento, debaixo de árvores frondosas, na Quinta da Serra em Sintra.

O fotógrafo, os noivos e os outros no casamento

A HISTÓRIA PARA CONTAR pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTO

O espaço onde será a cerimónia do casamento, debaixo de árvores frondosas, na Quinta da Serra em Sintra.

Há uma tentação por parte dos fotógrafos de casamentos em escolherem como principal assunto das suas fotografias o noivo e a noiva em todo o processo do dia. É, antes, uma obrigação porque são eles quem mais importa e a nossa função, lá, é trazermos em história, nas fotos, todos os seus passos, gestos, sorrisos, abraços, beijos nos outros e dos outros neles, passos de dança, dedos atraindo anéis especiais e tudo aquilo que lhes acontece no dia do casamento deles.

No entanto, a verdadeira tentação é aquilo que está sempre a desviar a atenção das suas lentes, as grandes culpadas da falha de compromisso, que não param de gritar ao fotógrafo, no casamento, olha ali não percas aquela, vê lá que nem te apercebes do que se passa ali ao fundo, olha que lindo nem te atrevas a não a levar connosco. A foto. A que estava a acontecer e que não podia deixar de ser copiada.

É por isso que quando o casal, que teve a amabilidade de me escolher para o dia deles, já no sossego da sua casa se vai apercebendo das coisas que não viram, porque estavam assoberbados com tanto a acontecer, vão desculpar o fotógrafo de casamento por, aqui e ali, desviar a sua atenção e não se dedicar a eles em exclusivo.

Felizmente tenho as minhas lentes que, além de incansáveis trabalhadoras, estão sempre atentas e a olhar sempre em volta para me irem chamando quando alguém dá um beijo em alguém, quando alguém mostra uma coisa a alguém, quando alguém tira uma foto a alguém e depois mostra ou quando aquela lente que mostra tudo ao mesmo tempo se começa a queixar que não lhe dou uso quando sozinha consigo fazer o trabalho das outras todas juntas.

Também é preciso um pouco de paciência para poder aproveitar os seus conselhos e, ao mesmo tempo, acalmar a sua vontade exacerbada em transportar luz até ao fundo das máquinas fotográficas a que estão ligadas.

Ainda não consegui perceber se o fotógrafo de casamento lê sobre uma série de acontecimentos que se desenrolam durante o dia de um casamento e, em vez de usar palavras para descrever o que lá vai sendo, tem por voz as lentes ligadas às suas câmaras fotográficas ou se, pelo contrário é ele que vai escrevendo as tais fotografias com o auxílio dessas canetas sem tinta para que possam, depois, ser lidas por quem quiser folhear os livros que também edita.

Seja o que fôr, o que interessa é que o que escreve, ou lê, seja percebido por quem, no fundo, tem o principal interesse no que, afinal, fica. Uma história a contar para quem vier. É por isso que não paro, nunca, de ler ou…escrever sem letras nem palavras.

Duas convidadas do casamento fotografam.
Mãe e filho, sentados nas cadeiras do espaço da cerimónia do casamento na Quinta da Serra, fazem uma selfie.
A noiva a sair do automóvel para a cerimónia do casamento.
Vista de longe no meio de grandes árvores, a cerimónia do casamento na Quinta da Serra em Sintra.
O noivo e a noiva em frente um do outro assim que termina a cerimónia do casamento na Quinta da Serra.

Leave a Comment

  • (will not be published)