O respeito do fotógrafo pelo assunto, num casamento

A MIM NÃO… pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTO NO ALGARVE

Momentos de partilha. Sendo um fotógrafo de casamentos muito curioso, muitas vezes dou por mim a perguntar o que possa não ser fotografável num casamento. Pode afirmar-se que por lá estar para isso, talvez não haja limites e que todas as pessoas vão aceitar sem questionar o rondar das minhas lentes, sempre desejosas de escrever com a luz que por elas passa, em mais um momento, como se fossem redes de coleccionador de borboletas.

Mas não é assim. Quantas vezes tenho dado por mim a apontar objectiva adequada a grande grande plano e sentir que a pessoa escolhida se apercebe e se sente incomodada. Quantas outras a mim não, não sou nada de fotos. Ou vire para lá isso que ainda lhe estrago a máquina, maneira delicada e bem disposta de me dizer que eu não. O cirandar do fotógrafo de casamento, escolhido para isso, nem sempre é sinal de autorização em qualquer circunstância.

Por isso tento sempre estar atento para nunca, mesmo em nome de uma fotografia que o fotógrafo de casamento possa julgar daquelas, levar alguém comigo que não esteja interessado na minha companhia, mesmo que em forma de uma fotografia. Nunca me esqueço daquela menina, no segundo casamento onde estive e que durante todo o dia não deixou que a fotografasse, embora eu tenha tentado. No fim, já na arrumação das lentes para algum descanso, agora eu quero. Foi uma lição que nunca mais esqueci. Ao menor sinal de desconforto as minhas lentes aprenderam a procurar novo assunto, aquilo que os fotógrafos chamam ao que querem fotografar. Nunca mais esqueci.

Algumas fotografias no convívio de um casamento No Club Nau em Ferragudo, Portimão.

Encontre mais exemplos de casamentos no trabalho do Fotógrafo de Casamentos.

Share This:

Leave a Comment

  • (will not be published)