Um fotógrafo desassossegado, numa cerimónia de casamento

RESPEITO E DEVER pelo FOTÓGRAFO DE CASAMENTO EM ÉVORA

O fotógrafo de casamento tem o dever de se movimentar, numa cerimónia de casamento religiosa, o mais invisível possível, respeitar as regras da instituição e, de modo nenhum, interferir no normal desenrolar da cerimónia. É um lugar de ligação espiritual, a cerimónia tem como função criar uma nova e deve seguir as regras que a instituição criou para este evento.

O grande problema é conseguir conciliar isto tudo e a curiosidade um pouco desassossegada dos fotógrafos de casamento. São curiosos, encontram sempre um novo ponto de vista que poderá ser em local não autorizado, deslocam-se muito rápidamente de um ponto para outro, como crianças quando encontram um novo interesse, e o barulho das suas máquinas têm a mania de se poderem tornar irritantes para prior sereno que que não gosta de ruídos na sua homilia.

Entendo isto tudo e conciliar todas estas, por um lado, fantásticas possibilidades fotográficas e as regras que as travam não é a coisa mais fácil. Mas, a experiência, o bom-senso e a adaptação ao que poderá ser o desejo do padre na celebração do dia, de certeza que será usado ao máximo pelo fotógrafo de casamento para recolha o mais completa e criativa possível. Será sempre o respeito pelo espaço que prevalecerá.

Parte de uma cerimónia de casamento na Igreja de Matriz de Santo António em Reguengos de Monsaraz no Alentejo.

Share This:

Leave a Comment

  • (will not be published)